[Tag] Híbrida

Oi, amores!!!!

 

Todo mundo já deve ter visto aquele negócio de responder a uma tag e marcar alguém para responder também, não?

Pois bem. Minha amiga Mayra Braga marcou aquela-que-vos-fala lá no Facebook para responder a Tag Híbrida, proposta pelo blog Da Imaginação à Escrita.

Gostei bastante da tag e resolvi fazer um post com ela.

 

Retirada do blog "Da Imaginação à Escrita"

Retirada do blog “Da Imaginação à Escrita”

Sobre: tag consiste em indicar um livro de acordo com a personalidade dos personagens de Híbrida, série escrita pela Mari Scotti. Pode ser respondido por escrito, vídeo, instagram, como desejarem e com livros lidos, desejados ou odiados, de acordo com o seu gosto.

Como ainda não li a série, não conheço as personagens, então não as citarei aqui. Mas convido vocês a verem a tag diretamente no blog que a criou, clicando aqui.

BORA PARA AS PERGUNTAS E RESPOSTAS!!!

 

1- Um livro que você leu (emprestado ou alugado) e nunca mais achou outro exemplar.

Insônia, de Marcelo Carneiro da Cunha.

Sinopse: Cláudia é uma garota que perdeu a mãe quando criança e, por morar com um pai genial, mas desligado, viu-se obrigada a amadurecer. O autor utiliza elementos muito ricos, desde os poemas de Sylvia Plath, Robert Frost e Carl Sandburg até as conversas via Internet, que se fundem de modo muito articulado com a voz maior da narrativa.

 

Li este livro quando tinha 13 anos. Peguei ele emprestado na biblioteca da escola. Gostei tanto, que li umas 3 vezes na época. kkkkkkk

Nunca mais soube dele….

 

2- Um livro que você estava indeciso se seria uma boa leitura, mas foi até o fim para descobrir.

Proibido, de Tabitha Suzuma.

Sinopse: Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.
Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.
Eles são irmão e irmã.
Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.

 

Eu realmente tinha minhas dúvidas quanto a este livro. Várias de minhas amigas disseram ser lindo e tudo o mais; outras simplesmente largaram a leitura no meio por não conseguir “digerir” a história.

Minha opinião: livro lindíssimo! Super vale a pena.

 

3- Um livro com um vilão que você detestou e torceu para que ele morresse.

Trilogia Estilhaça-me, de Tahereh Mafi.

Sinopse: Tenho uma maldição(Tenho um dom)
Sou um monstro(Sou sobre-humana)
Meu toque é letal(Meu toque é poder)
Sou a arma deles(Lutarei contra eles)
Juliette não toca alguém a exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma célula. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser uma guerreira.

Warner é o nome do vilão desta trilogia. E eu desejei com todas as forças que ele morresse! PENSA NUMA PESSOA COM RAIVA DE UM PERSONAGEM. Eu.

Até. O. Final.

Tá. Acontecem umas coisas aí, mas não dá pra falar mais, senão libero spoiler kkkkkkk

 

4- Um livro com um personagem secundário importante para a trama e de quem você não sabia se confiava ou não.

Atemporal, de Rodrigo Mendes.

Sinopse: Ano de 2023.
Lucas, um jovem policial, encontra evidências de um crime não solucionado, e que foi cometido em 1983. O caso contém ligações com seu pai, um policial aposentado que se culpa desde então por não ter impedido tal homicídio que o marcou para a vida toda.
Disposto a desvendar o mistério e levar o assassino à Justiça, o jovem policial embarca em uma corrida contra o tempo, e, mesmo sofrendo ameaças, segue com a investigação obtendo também a ajuda de um misterioso informante.
Paralelo a isso, ele acaba tendo acesso a uma poderosa descoberta científica: a invenção de uma máquina do tempo que pode estar sendo usada por uma empresa para fins ilícitos. Porém, envolver-se nesse intrincado caso pode resultar mudanças inimagináveis na vida de Lucas e na de todos ao seu redor.

 

Aí que aparece aquele personagem que ajuda o protagonista e que você tem certeza que está levando nosso amiguinho para uma emboscada, mas acaba que este personagem é fundamental para a trama, pois sem ele nem trama teria.

Isso é Atemporal. u-u

 

5- Um livro com um protagonista destemido, porém depressivo.

A Mais Pura Verdade, de Dan Gemeinhart.

Sinopse: Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.
Mas, em certo sentido um sentido muito importante , Mark não tem nada a ver com as outras crianças.
Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.
Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier.Nem que seja a última coisa que ele faça.
A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável.

 

Mark segue seu objetivo a todo custo, mas é tão triste ver como o garoto é baixo-astral… Ok, ele está doente e tudo mais, mas os níveis de depressividade nesse garoto são anormais! Mesmo assim, livro lindo! ❤

 

6- Um livro com um irmão mais velho ciumento.

A Febre, de Megan Abbott.

Sinopse: Na Escola Secundária de Dryden, Deenie, Lise e Gabby formam um trio inseparável. Filha do professor de química e irmã de um popular jogador de hóquei da escola, Deenie irradia a vulnerabilidade de uma típica adolescente de 16 anos. Quando Lise sofre uma inexplicável e violenta convulsão no meio de uma aula, ninguém sabe como reagir.
Os boatos começam a se espalhar na mesma velocidade que outras meninas passam a ter desmaios, convulsões e tiques nervosos, deixando os médicos intrigados e os pais apavorados. Os ataques seriam efeito colateral de uma vacina contra HPV?
Envoltos em teorias e especulações, o pânico rapidamente se alastra pela escola e pela cidade, ameaçando a frágil sensação de segurança daquelas pessoas, que não conseguem compreender a causa da doença terrível e misteriosa.

 

Determinados acontecimentos no livro deixam Eli, irmão de Deenie, cheios de ciúmes! Ele não demonstra taaaaanto assim, está mais para aquele clássico me-importo-mas-não-quero-que-você-nem-ninguém-saiba.

 

7-Um livro que te deixou curioso e você deseja ler em breve.

O Menino que Desenhava Monstros, de Keith Donohue.

Sinopse: Um livro para fazer você fechar as cortinas e conferir se não há nada embaixo da cama antes de dormir. O Menino que Desenhava Monstros ganhará uma adaptação para os cinemas, dirigida por ninguém menos que James Wan, o diretor de Jogos Mortais e Invocação do Mal.

Jack Peter é um garoto de 10 anos com síndrome de Asperger que quase se afogou no mar três anos antes. Desde então, ele só sai de casa para ir ao médico. Jack está convencido de que há de monstros embaixo de sua cama e à espreita em cada canto. Certo dia, acaba agredindo a mãe sem querer, ao achar que ela era um dos monstros que habitavam seus sonhos. Ela, por sua vez, sente cada vez mais medo do filho e tenta buscar ajuda, mas o marido acha que é só uma fase e que isso tudo vai passar.

Não demora muito até que o pai de Jack também comece a ver coisas estranhas. Uma aparição que surge onde quer que ele olhe. Sua esposa passa a ouvir sons que vêm do oceano e parecem forçar a entrada de sua casa. Enquanto as pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, os monstros que Jack desenha em seu caderno começam a se tornar reais e podem estar relacionados a grandes tragédias que ocorreram na região. Padres são chamados, histórias são contadas, janelas batem. E os monstros parecem se aproximar cada vez mais.

Na superfície, O Menino que Desenhava Monstros é uma história sobre pais fazendo o melhor para criar um filho com certo grau de autismo, mas é também uma história sobre fantasmas, monstros, mistérios e um passado ainda mais assustador. O romance de Keith Donohue é um thriller psicológico que mistura fantasia e realidade para surpreender o leitor do início ao fim ao evocar o clima das histórias de terror japonesas.

 

Sou suspeita de falar, porque amo a Darkside, mas este livro tem chamado minha atenção nos últimos dias. Preciso muito ler para aplacar minha imaginação (ou aguçá-la ainda mais!).

 

8- Um livro que você amou e te decepcionou no final.

O Demonologista, de Andrew Pyper.

Sinopse: “A maior astúcia do Diabo é nos convencer de que ele não existe”, escreveu o poeta francês Charles Baudelaire. Já a grande astúcia de Andrew Pyper, autor de O Demonologista (DarkSide® Books, 2015), é fazer até o mais cético dos leitores duvidar de suas certezas. E, se possível, evitar caminhos mal-iluminados.

O personagem que dá título ao best-seller internacional é David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, especializado na figura literária do Diabo – principalmente na obra-prima de John Milton, Paraíso Perdido. Para David, o Anjo Caído é apenas um ser mitológico. Ao aceitar um convite para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza, David começa a ter motivos pessoais para mudar de opinião. O que seria apenas um boa desculpa para tirar férias na Itália com sua filha de 12 anos se transforma em uma jornada assustadora aos recantos mais sombrios da alma.

Enquanto corre contra o tempo, David precisa decifrar pistas escondidas no clássico Paraíso Perdido, e usar tudo o que aprendeu para enfrentar O Inominável e salvar sua filha do Inferno.

Este é um daqueles livros que você não consegue largar até acabar a última página, ainda que vá precisar de muita coragem para seguir em frente. O Demonologista ganhou o Prêmio de Melhor Romance do International Thriller Writers Award (2014), concorrendo com autores como Stephen King. Entrou em diversas listas de melhores livros de 2013, foi finalista do Shirley Jackson Award (2013) e do Sunburst Award (2014), chegou ao topo da lista dos mais vendidos do jornal canadense Globe and Mail e foi publicado em mais de uma dezena de países.

 

O livro estava indo bem, muito bem escrito, envolvente e coisa e tal… Até o desfecho.

Gente! Me senti sem chão diante do final deste livro. Onde raios é que estava o final que este livro merecia? Nas páginas dele é que não está, garanto!

Muito frustrante como toda a trama se encerrou. Tirou completamente o brilho da narrativa….

 

Acabei! 🙂

Chega de falar, não é? hahahaha

 

Espero que tenham gostado!

 

Beijinhos! 😉

Resenhando #8 – A Mais Pura Verdade

Oi, amores!

 

Este mês recebi da Editora Novo Conceito o exemplar completo do livro A Mais Pura Verdade.

Não consegui esperar muito para ler: o carteiro gritou “CORREIO!” próximo das 14h; eram quase 17h e eu já havia terminado a leitura.

Hoje venho com a resenha completa. Mas antes, vamos dar uma relembrada na história?

PicsArt_20_03_2015 18_26_38

Sinopse: “NUNCA É TARDE DEMAIS PARA VIVER A MAIOR AVENTURA DA NOSSA VIDA.

Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.
Mas, em certo sentido um sentido muito importante,  Mark não tem nada a ver com as outras crianças.
Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.
Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier. Nem que seja a última coisa que ele faça.
A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável.”

Se quiser ver minhas primeiras impressões sobre o livro, clique aqui.

 

Mark não abandona seus planos, seu cachorro, suas fotos nem seus haicais…

WP_20150321_005

Acho lindo como um garoto consegue capturar em pequenos textos a intensidade de um momento. ❤

A jornada de Mark, obviamente, se torna mais difícil e complicada a cada novo desafio. Porém, ele demonstra uma garra que muitos de nós desconhecemos.

WP_20150321_006

Continuando a ler o livro, me dei conta de que esta não seria mais uma história clichê de uma criança com câncer. É uma história de companheirismo e lealdade: de Mark com seus ideais e de Jessie e Beau para com Mark.

Os capítulos curtos e alternados tornam a leitura fácil e bem fluida. A narrativa pelo ponto de vista de uma criança faz com que a escrita seja leve e, em certos pontos, divertida. Mas foram tantas desgraças acontecendo na história que cheguei a duvidar do rumo que ela estava tomando.

Não tenho muito a acrescentar a não ser: LEIAM! Para um livro de estreia, Dan Gemeinhart chegou muito bem ao mundo literário.

Este é um livro que te pega de jeito e faz com que você se apaixone pelo protagonista do começo ao fim. Esta é a mais pura verdade.

Kitudibom aprovado

Onde comprar: Submarino, Saraiva, Americanas.

 

Beijinhos! 😉

Primeiras Impressões – A Mais Pura Verdade

Oi, amores!

No primeiro post desse ano eu escrevi sobre conseguir uma parceria para o blog, se lembram?

Pois é. Ainda não consegui…

Mês passado me inscrevi na Seleção de Blogs Parceiros da Editora Novo Conceito. Mesmo não conseguindo a parceria, a Editora me enviou a amostra do livro A Mais Pura Verdade, do autor Dan Gemeinhart.

Ele não veio completo, somente com os seis primeiros capítulos. Mas acreditem quando eu digo que já me apaixonei por ele! ❤

 

a-mais-pura-verdadeSinopse: “NUNCA É TARDE DEMAIS PARA VIVER A MAIOR AVENTURA DA NOSSA VIDA.
Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.
Mas, em certo sentido um sentido muito importante,  Mark não tem nada a ver com as outras crianças.
Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.
Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier. Nem que seja a última coisa que ele faça.
A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável.”

 

Somos apresentados a Max, um garoto de 12 anos que parte em busca de uma aventura junto com seu cachorro, Beau. Ele consegue armar um plano perfeito para despistar a todos. Ele segue firme e confiante, mas aos poucos vai vacilando.

Ele tem medo. Medo de como será. Medo do depois… Mas Mark está cansado de ter medo e decide escalar o Monte Rainier para aplacar de vez este sentimento que domina seu coração. Ele irá escalar não somente a montanha, mas também os obstáculos e desafios que enfrenta todos os dias por conta de sua doença.

A história possui capítulos curtos alternados entre a narrativa de Max, o narrador na maior parte, e a de Jessie, sua melhor amiga, que sabe mais do que qualquer um o que Max sente e pensa.

Tenho o costume de “ser” o personagem durante a leitura e com este não foi diferente. Bem… Foi. Sempre que a personagem principal é uma criança, sou mais do que arrastada para a história: é como se, literalmente, eu estivesse lá vivendo a vida daquele pequeno ser.

Apesar de ser somente o começo da história, já ri, chorei e me apeguei ao Max. Me imaginei tendo um Beau só para mim que fosse igual ao de Max: fiel e companheiro ao extremo. Senti todo o drama que Jessie irá passar durante a narrativa. Ela é a única que sabe com certeza absoluta para onde Max foi e por quê e seu maior drama será ser leal ao amigo ou tentar desesperadamente salvar sua vida.

Ainda tem muita coisa para acontecer durante a história. Esse será um daqueles livos que te deixará com uma baita ressaca literária… Mesmo assim, eu torço desde já pela felicidade do pequeno Max, rezando para que uma mão divina entre na história e traga paz a esta criança.

Muitas lágrimas vão rolar no livro de Dan Gemeinhart e mal vejo a hora de chegar 23/03 para que possa terminar meu sofrimento.

 

Aguardem! A resenha do livro completo será em breve! ❤