[Creepypasta] Penpal 03- Boxes

Oi, gente!!!

 

Quem aí está acompanhando nossa Creepypasta? o/

Bora pra mais uma parte? Para hoje temos a Boxes.

(se você ainda não sabe do que se trata, clique aqui para se inteirar do assunto e aqui para ler a parte 02)

penpal

 

Para aqueles que leram minhas outras histórias e perguntaram se haviam respostas ‘secretas’, eu quero me desculpar por ter sido desonesto. Eu disse diversas vezes nos comentários que não havia acontecido nada após a história ‘Footsteps’, mas isso não era verdade. Os acontecimentos a seguir não estavam escondidos no fundo da minha mente; eu sempre me lembrei deles. Eu não lembrava até relembrar sobre ‘Baloons’ e falei com minha mãe sobre os acontecimentos. Percebi que esta história está ligada com o resto, mas eu não havia planejado em compartilhá-la com ninguém. Meu desejo de esconder esta memória era maior por causa de que eu não a vi com bons olhos; e eu também queria ter alguma testemunha para me ajudar a contá-la, de forma a não deturpar o que aconteceu. Eu não esperava que haveria tanto interesse em minhas histórias, então acho que nunca fui realmente ‘pressionado’ para contar mais detalhes e ficaria feliz de guardar isso para mim mesmo pelo resto de minha vida. Eu não tenho sido capaz de chegar à outra parte, mas eu me sentiria hipócrita retendo esta história daqueles que queriam mais informações, agora que eu falei com minha mãe e outra linha de conexão foi estabelecida. O que se segue é tão preciso quanto uma lembrança que tive. Peço desculpas pelo tamanho.

Passei o verão antes do meu primeiro ano do ensino fundamental tentando aprender a subir em árvores. Havia uma particular, um pinheiro fora da minha casa, que parecia quase projetada para mim. Tinha galhos que estavam tão baixos que eu poderia facilmente agarrá-los sem um impulso e durante os primeiros dias eu aprendi a puxar-me para cima para que pudesse apenas de sentar-me no galho mais baixo, balançando os pés. A árvore estava fora da nossa cerca e era facilmente visível a partir da janela da cozinha, que estava acima da pia. Minha mãe e eu desenvolvemos uma rotina, onde eu iria brincar na árvore enquanto ela lavava a louça, porque ela poderia facilmente me ver enquanto ela fazia outras coisas.

À medida que o verão passou, minhas habilidades aumentaram e, após um tempo, eu estava subindo a um ponto mais alto. Como a árvore ficou mais alta, seus ramos não só ficaram mais finos, mas também mais amplamente espaçados. Eu finalmente cheguei a um ponto onde eu não poderia realmente subir mais e assim o jogo teve que mudar: eu comecei a me concentrar na velocidade, e, no final, eu poderia alcançar o meu ponto mais alto em vinte e cinco segundos.

Fiquei muito confiante em uma tarde e tentei pisar de um galho que eu estava antes para um próximo. Eu caí cerca de vinte metros e meu braço quebrou bem feio em dois lugares. Minha mãe estava correndo em minha direção e gritando e eu me lembro dela parecendo que estava debaixo d’água – não me lembro do que ela disse, mas lembro de ser surpreendido por quão branco meu osso estava.

Eu ia começar o jardim de infância com um gesso e nem sequer tinha amigos para assiná-lo. Minha mãe deve ter se sentido horrível, porque, um dia antes de eu começar a escola, ela trouxe para casa um gatinho. Ele era apenas um bebê e era listrado, bege e branco. Assim que ela o colocou para baixo, ele se arrastou para uma caixa vazia de refrigerante que estava no chão. Eu nomeei-o Boxes.

Boxes era apenas um gato de rua quando escapou. Minha mãe o pegou sem as unhas para que ele não destruísse os móveis, assim como um resultado que fizemos o nosso melhor para mantê-lo dentro de casa. Ele saía de vez em quando e nós o encontrávamos em algum lugar no quintal perseguindo algum tipo de inseto ou lagarto, embora ele dificilmente pudesse pegar algum sem suas garras dianteiras. Ele era muito evasivo, mas nós sempre o pegávamos e o levávamos de volta. Ele se esforçava para olhar por cima do meu ombro – eu disse à minha mãe que era porque ele estava planejando a sua estratégia para a próxima vez. Uma vez dentro nós lhe dávamos um pouco de atum e ele aprendia o que o som do abridor de latas poderia sinalizar; ele viria correndo sempre que o ouvisse.

Esta condição veio a calhar mais tarde, porque nos nossos últimos dias naquela casa Boxes saía com muito mais frequência e corria para ficar sob a casa, por meio do forro, onde nenhum de nós queria entrar porque estava apertado e provavelmente cheio de insetos e roedores. Engenhosamente, minha mãe pensou em ligar o abridor de latas a um cabo de extensão e ligá-lo em frente ao buraco que Boxes havia entrado. Eventualmente, ele saiu com seus miados altos, parecendo animado com o som e, em seguida, horrorizado com o truque cruel utilizado nele – um abridor de latas sem atum não fazia sentido para Boxes.

A última vez que ele fugiu para debaixo da casa era realmente o nosso último dia na mesma. Minha mãe tinha colocado a casa à venda e já havia começado a empacotar nossas coisas. Nós não tínhamos muito, por isso estendemos o empacotamento por um tempo, mas eu já tinha embalado todas as minhas roupas (a pedido de minha mãe) – ela poderia dizer que eu estava realmente triste com a mudança e queria que a mesma fosse tranquila pra mim e eu acho que ela pensou que ter minhas roupas na caixa reforçaria a ideia de que estávamos nos mudando, mas as coisas não mudariam muito. Quando Boxes saiu, nós estávamos carregando algumas coisas dentro da van. Minha mãe xingou-o, porque ela já tinha embalado o abridor de lata e não tinha certeza de onde estava. Fingi que iria procurá-lo para eu não ter que voltar em casa e minha mãe (provavelmente ciente de meu pequeno golpe) moveu um dos painéis e rastejou para dentro. Ela saiu com Boxes muito rapidamente e parecia muito nervosa, o que me fez sentir ainda melhor saindo dali.

Minha mãe fez alguns telefonemas enquanto eu guardei algumas outras coisas e então ela entrou no meu quarto e me disse que ela tinha falado com o corretor de imóveis. Íamos se mudar para outra casa naquele dia. Ela disse isso como se fosse uma excelente notícia, mas eu achava que iríamos ter mais tempo naquela casa – ela disse inicialmente que não iríamos se mudar até o final da próxima semana e era só terça-feira. Além do mais, nós não tínhamos terminado de embalar as coisas, mas minha mãe disse que às vezes era mais fácil substituir as coisas que embalá-las e transportá-las por toda a cidade. Eu nem sequer cheguei a pegar o resto das minhas roupas nas caixas. Eu perguntei se eu poderia me despedir de Josh, mas ela disse que nós poderíamos chamá-lo para nossa nova casa. Saímos na van em movimento.

Consegui manter contato com Josh por anos, o que é surpreendente, uma vez que não fomos para a mesma escola. Nossos pais não eram amigos íntimos, mas eles sabiam que nós éramos e para que pudessem acomodar o nosso desejo de ver um ao outro, traziam-nos e levavam-nos um para a casa do outro (algumas vezes para umas dormidas fora) – às vezes a cada fim de semana. No Natal, um ano, os nossos pais juntaram dinheiro e nos deram agradáveis walkie-talkies que cobriam uma distância maior que o das nossas casas e que tinham baterias que poderiam durar dias se o walkie-talkie estivesse ligado, mas não utilizado. Eles teriam que apenas ocasionalmente trabalhar bem o suficiente para que pudéssemos nos falar em toda a cidade, mas quando ficávamos perto nós usávamos em casa, simulando uma conversa via rádio igual a dos filmes e eles funcionavam muito bem para isso. Graças aos nossos pais nós ainda éramos amigos quando tínhamos dez anos. Um fim de semana eu estava hospedado no Josh e minha mãe me ligou para dizer boa noite (ela ainda estava muito atenta, mesmo quando ela não podia realmente me ver), mas eu tinha ficado tão acostumado a isso que eu nem ligava, mesmo que Josh sim. Ela parecia chateada.

Boxes tinha sumido.

Esta deve ter sido uma noite de sábado, porque eu tinha passado a noite anterior no Josh e estava voltando para casa no dia seguinte já que nós tínhamos escola na segunda-feira. Boxes estava desaparecido desde sexta-feira à tarde e deduzi que ela não o tinha visto desde que voltou para casa depois de me deixar no Josh. Acho que ela deve ter decidido me dizer que ele tinha sumido, porque se ele não voltasse para casa antes de mim, então eu ficaria devastado, não só por sua ausência, mas por ela ter escondido isso de mim. Ela me disse para não me preocupar. “Ele vai voltar. Ele sempre volta!”

Mas Boxes não voltou.

Três semanas depois eu estava no Josh de novo. Eu ainda estava chateado por causa do Boxes, mas a minha mãe me disse que muitas vezes os animais desapareciam de casa por semanas ou mesmo meses, apenas para voltar por conta própria; ela disse que eles sempre souberam onde ficava sua casa e sempre tentariam voltar. Eu estava explicando isso para Josh quando um pensamento me bateu tão forte que eu interrompi a minha própria frase para dizê-lo em voz alta. “Mas e se Boxes foi para a casa errada?”

Josh estava confuso: “O quê? Ele vive com você. Ele sabe onde fica sua casa.”

‘Mas ele cresceu em outro lugar, Josh. Ele foi criado em minha antiga casa a alguns bairros de distância. Talvez ele acha que ali é sua casa, como eu.”

“Ahhh, eu entendo. Bem, isso seria ótimo! Vamos falar com meu pai amanhã e ele vai nos levar até lá para que possamos ver!”

“Não, não vai, cara. Minha mãe disse que não podemos voltar para aquele lugar, porque os novos proprietários não gostam de ser incomodados. Ela disse que falou para seus pais a mesma coisa.”

Josh insistiu: “Ok, então vamos sair, explorar amanhã e fazer o nosso caminho para a sua antiga casa.”

“Não! Se nos virem, seu pai vai descobrir e, em seguida, minha mãe também! Temos que ir lá nós mesmos … Temos que ir lá hoje à noite …”

Não demorou muito tempo para convencer Josh, porque era ele quem geralmente aparecia com ideias como esta. Mas nunca tinha fugido de sua casa antes. Na verdade, foi incrivelmente fácil. A janela de seu quarto era aberta para o quintal e ele tinha uma cerca de madeira fechada, que não estava trancada. Após essas duas pequenas batidas nós saímos para a noite, lanterna e walkie-talkies na mão.

Havia duas maneiras de ir da casa de Josh para a minha antiga casa: poderíamos caminhar na rua e fazer todas as voltas ou ir pelos bosques, o que levaria cerca de metade do tempo. Devia levar cerca de duas horas usando as ruas, mas eu sugeri ir por esse caminho de qualquer maneira; disse-lhe que era porque eu não queria que a gente se perdesse. Josh se recusou e disse que se fôssemos vistos, poderiam reconhecê-lo e contar ao seu pai. Ele ameaçou ir para casa se não tomássemos o atalho, e eu aceitei, porque eu não queria ir sozinho.

Josh não sabia da última vez que eu andei por estes bosques à noite.

O bosque era muito menos assustador com um amigo e uma lanterna e nós estávamos caminhando há um bom tempo. Eu não tinha certeza de onde estávamos exatamente, mas Josh parecia confiante o suficiente e isso aumentou a minha moral. Passávamos por uma parte particularmente grossa das árvores emaranhadas quando a cinta no meu walkie-talkie ficou presa em um galho. Josh tinha a lanterna, então eu estava lutando para soltar o walkie-talkie quando ouvi Josh dizer:

“Ei, cara, quer nadar?”

Olhei para onde ele estava apontando a lanterna e embora tenha fechado meus olhos, eu agora sabia onde estávamos. Ele estava apontando para a boia na piscina. Este era o lugar onde eu tinha acordado na floresta anos atrás. Senti um nó na garganta e algumas lágrimas frescas nos meus olhos enquanto eu continuava a tentar tirar o walkie-talkie. Frustrado, eu puxei com força suficiente para me livrar e me virei caminhando para junto de Josh, que tinha parcialmente entrado na boia da piscina, imitando uma pose para se bronzear. Enquanto eu caminhava em direção a ele, tropecei e quase caí em um buraco bastante grande que estava sitiado no meio da pequena clareira, mas eu recuperei meu equilíbrio e parei bem em sua borda. Era fundo. Fiquei surpreso pelo tamanho do buraco, mas mais surpreso com o fato de que eu não me lembro dele. Eu percebi que ele não devia estar lá naquela noite, porque era no mesmo lugar onde eu tinha acordado. Eu tirei-o da minha mente e voltei-me para Josh:

“Para de brincar, cara! Você viu que eu estava preso lá e você só ficou aí, brincando nessa boia!” Eu pontuava a frase com um pontapé para cada parte exposta da boia. Um gritinho saiu dela.

O sorriso de Josh sumiu. De repente, ele parecia aterrorizado e estava lutando para sair da boia, mas ele não poderia de forma rápida devido ao jeito estranho que ele tinha entrado nela. Cada vez que ele quase caía da boia os gritos ficavam mais altos. Eu queria ajudar Josh, mas eu não podia chegar mais perto – minhas pernas não iriam cooperar, eu odiava esse bosque. Peguei a lanterna que ele havia jogado ali perto e apontei para a boia, sem saber o que esperar. Finalmente, Josh saiu da boia e correu para o lado, olhando para onde eu estava apontando a luz. De repente, lá estava ele. Era um rato. Eu comecei a rir nervosamente e ambos assistimos o rato correr para o bosque, levando os gritos com ele. Josh levemente me deu um soco no braço, o sorriso voltando lentamente para o rosto dele e nós continuamos a caminhar. Aceleramos nosso ritmo e conseguimos sair da mata mais rápido do que pensávamos e nos encontramos de volta ao meu antigo bairro. A última vez que eu tinha contornado a curva à frente, que eu tinha visto minha casa totalmente iluminada, todas as lembranças do que aconteceram vieram à tona. Eu senti um salto no meu coração quando nós estávamos finalmente virando a esquina e prestes a ter uma visão completa da minha casa, lembrando-me da última vez quão incandescente ela estava. Mas desta vez todas as luzes estavam apagadas. De longe eu podia ver minha velha árvore de escalada e como minha mente teve um retrocesso, percebi que eu não iria voltar aqui esta noite se a árvore não tinha crescido e estava com um pequeno temor de como todos os eventos foram assim. Quando chegamos mais perto pude ver que o gramado estava horrível, eu não podia sequer imaginar quando foi havia sido cortado pela última vez. Uma das janelas tinha parcialmente quebrado e estava balançando para frente e para trás na brisa e toda a casa parecia suja. Fiquei triste ao ver a minha antiga casa em tal estado de abandono. Será que minha mãe iria ligar se incomodássemos os novos proprietários, se eles se importavam tão pouco com onde viviam? E então eu percebi.

Não haviam novos proprietários.

A casa foi abandonada, embora parecesse simplesmente desamparada. Por que minha mãe mentiu para mim dizendo que a nossa casa iria ter novas pessoas nela? Mas eu pensei que isso era realmente uma coisa boa. Seria mais fácil procurar por Boxes se não tivéssemos que nos preocupar em sermos vistos pela nova família. Isso deixaria tudo muito mais rápido. Josh interrompeu meus pensamentos enquanto caminhávamos até o portão e até a casa em si.

“Sua antiga casa é uma porcaria, cara!” – Josh gritou tão silenciosamente como pôde.

“Cala a boca, Josh! Mesmo assim ainda é mais agradável do que a sua casa .”

“Pô cara–”

“OK, OK. Acho que Boxes está provavelmente sob a casa. Um de nós tem que ir lá embaixo e olhar, mas o outro deve ficar ao lado da abertura, caso ele venha a fugir.”

“Você está falando sério? De nenhum jeito que eu vou lá embaixo. É o seu gato, cara. Você faz isso .”

“Olha, eu jogo com você por isso, a menos que você esteja com muito medo…” Eu disse segurando a minha mão sobre a palma da mão virada para cima.

“Tudo bem, mas vamos no ‘já’, e não em ‘três’. É ‘pedra, papel, tesoura, já’, e não ‘um, dois, três’.”

“Eu sei como jogar o jogo, Josh. Você é o único que sempre estraga. E é melhor de três .”

Eu perdi.

Movi o painel solto que minha mãe sempre mexia quando ela tinha que se rastejar atrás do Boxes. Ela só tinha que fazer isso um par de vezes desde que o truque do abridor de latas funcionava, mas quando ela tinha que fazê-lo ela o odiava; especialmente da última vez. Quando olhei para a escuridão do forro eu entendi melhor o porquê. Antes de nos mudarmos, ela disse que era realmente melhor que Boxes corresse aqui embaixo, apesar de o quão difícil poderia ser tirá-lo. Era menos perigoso do que ele saltar sobre a cerca e sair correndo ao redor do bairro. Tudo isso era verdade, mas eu ainda estava temendo em fazer isso. Peguei a lanterna e o walkie-talkie e comecei a rastejar para dentro, um cheiro forte tomou conta de mim. Cheirava a morte.

Liguei meu walkie.

“Josh, você está aí? “

“Este é Macho Man, volte.”

“Josh, pare com isso. Tem algo errado aqui. “

“O que quer dizer? “

“Fede. Tem cheiro de algo morto.”

“É Boxes? “

“Sinceramente espero que não.”

Pousei o walkie e movi a lanterna em volta enquanto eu me arrastava para frente. Olhando pelo buraco do lado de fora você pode ver todo o caminho de volta com a iluminação certa, mas você tem que estar lá dentro para ver ao redor dos blocos de suporte que mantinham a casa em pé. Eu diria que havia cerca de quarenta por cento da área que você não podia ver a menos que você estivesse realmente no forro, mas, mesmo dentro, eu descobri que eu só podia ver diretamente onde a lanterna estava apontando. Percebi que isso tornaria a patrulha do lugar muito mais difícil. Enquanto eu ia para frente, o cheiro ficava mais forte. O medo de que Boxes tivesse vindo aqui e algo tivesse acontecido com ele foi crescendo em mim. Eu brilhei a lanterna ao redor, mas não conseguia ver muita coisa. Passei meus dedos em torno de um bloco de apoio para me puxar para frente e, quando fiz isso, senti algo que fez a minha mão recuar.

Pele.

Meu coração se afundou e eu me preparei emocionalmente para o que eu estava prestes a ver. Arrastei-me lentamente para que eu pudesse prolongar o que eu sabia que ia acontecer e avancei meus olhos e a lanterna além do bloco para ver o que estava do outro lado.

Eu cambaleei para trás com horror. “JESUS CRISTO!” – escapou da minha boca trêmula. Era uma criatura hedionda e torcida, em estado de decomposição. Sua pele tinha apodrecido em seu rosto, então os dentes pareciam ser enormes. E o cheiro era insuportável.

“O que é isso? Você está bem? É Boxes ?”

Estendi a mão para o walkie.

“Não, não, não é Boxes.”

“Bem, o que diabos é isso então?”

“Eu não sei.”

Eu apontei a luz de novo e olhei para ele com menos medo na minha visão. Eu ri.

“É um guaxinim!”

“Bem, continue procurando. Eu vou entrar na casa para ver se ele poderia ter entrado lá de alguma forma.”

“O quê? Não. Josh, não vá lá. E se Boxes estiver aqui em baixo e sair correndo?”

“Ele não pode. Eu coloquei a placa de volta.”

Eu olhei e vi que ele estava dizendo a verdade.

“Por que fez isso?”

“Não se preocupe cara, você pode movê-la fácil. Isto faz mais sentido. Se Boxes corresse para fora e eu perdesse ele, em seguida ele iria embora. Se ele está aí em baixo, você o segura firme e eu vou mover a placa. Se ele não estiver, então você pode movê-la por si mesmo enquanto eu olho na casa!”

Alguns de seus pontos eram bons e eu duvidava que ele seria capaz de segurá-lo de qualquer maneira.

“OK. Mas tenha cuidado e não toque em nada. Há um monte de minhas roupas velhas ainda em caixas no meu quarto, você pode olhar lá para ver se ele se entrou em uma. E certifique-se de trazer o seu walkie.”

“Entendido, parceiro.”

Percebi que estaria um breu lá, a luz estaria cortada, já que ninguém estava pagando a conta. Com alguma sorte, ele seria capaz de ver pelas luzes da rua, que poderiam lançar luz no interior da casa – caso contrário eu não sei o que ele faria.

Pouco depois, ouvi passos acima da minha cabeça e senti sujeira velha chovendo sobre mim.

“Josh, é você?”

“Chhkkkk Destruidor. Este é Macho Man voltando para o grande Tango Foxtrot . A Águia pousou. Qual é a sua posição, princesa Jasmine? Câmbio.”

“Babaca.”

“Macho Man, a minha posição é o seu banheiro, olhando o seu estoque de revistas. Parece que você tem uma coisa relacionada a bundas masculinas. Qual o seu relatório sobre isso? Câmbio.”

Eu podia ouvi-lo rindo sem o walkie e eu comecei a rir também. Eu ouvi as pegadas desaparecem um pouco – ele estava em seu caminho para o meu quarto.

“Cara, é escuro aqui. Ei, você tem certeza que tinha caixas de roupas aqui? Eu não vejo nenhuma.”

“Sim, deve haver um par de caixas na frente do armário.”

“Não existem caixas aqui, deixa eu verificar para ver se você colocou as caixas no armário antes de sair.”

Comecei a pensar que talvez a minha mãe tinha voltado para pegar as roupas e tinha as doado, porque a maioria já estava curta para mim, mas lembro de ter deixado as caixas lá – eu nem sequer tive tempo para fechar a última antes de sairmos.

Enquanto eu estava esperando por Josh para me dizer o que achou, eu mexo minha perna para evitar a dormência, por causa da posição em que estava e tinha batido em alguma coisa. Olhei para trás e vi algo muito estranho. Era um cobertor e em torno dele havia taças. Arrastei-me um pouco mais perto dele. O cobertor cheirava mofo e a maioria das taças estavam vazias, mas um tinha alguma coisa que eu reconhecia nele. Alimento de gato.

Era um tipo diferente do que nós demos para Boxes, mas de repente eu entendi . Minha mãe tinha montado um pequeno lugar para Boxes para encorajá-lo a vir aqui em vez de correr ao redor do bairro. Isso fez muito sentido e parecia ainda mais provável que Boxes teria voltado a este lugar. “Isso é tão legal, mãe”, eu pensava.

“Encontrei suas roupas.”

“Oh, legal. Onde estavam as caixas?”

“Como eu disse , não há caixas. Suas roupas estão no seu armário… Elas estão penduradas.”

Senti um calafrio. Isso era impossível. Eu tinha guardado todas as minhas roupas. Mesmo que não deveriam passar de duas semanas desde que saímos, eu me lembro de tê-las embalado e penso que seria estúpido para mim tirá-las da caixa e colocá-las de volta. Eu as tinha embalado, mas alguém tinha pendurado de volta. Por que então?

Josh precisava sair de lá.

“Isso não pode estar certo, Josh. Eles deveriam estar nas caixas. Pare de brincar e vamos dar o fora.”

“Sem piada, cara. Eu estou olhando para elas. Talvez você só pensou que as empacotou. Haha! Wow! Você com certeza gostava de olhar para si mesmo, não é?”

“O quê? O que quer dizer?”

“Suas paredes, cara. Haha. Suas paredes estão cobertas de Polaroids de si mesmo! Existem centenas deles. O que, você contratou alguém para-”

Silêncio.

Eu chequei meu walkie para ver se eu tinha desligado-o de alguma forma. Estava normal. Eu podia ouvir os passos, mas não poderia dizer exatamente onde Josh estava indo. Esperei por Josh de terminar a frase, pensando que o seu dedo tinha saído do botão, mas ele não terminou. Ele parecia estar correndo em torno da casa agora. Eu estava prestes a falar quando ele voltou.

“Tem alguém em casa.”

Sua voz foi abafada e quebrada – eu podia perceber que ele estava à beira das lágrimas. Eu queria responder, mas o quão alto estava seu walkie? E se a outra pessoa ouvisse? Eu não disse nada e apenas esperei e escutei. O que eu ouvi foram passos. Pesados, arrastados. E então um baque forte.

“Oh Deus… Josh .”

Ele havia sido encontrado, eu tinha certeza disso. Esta pessoa tinha lhe encontrado e estava machucando. Explodi em lágrimas. Ele era meu único amigo, ao lado de Boxes. E então eu percebi: E se Josh lhe disse que estava aqui embaixo? O que eu poderia fazer? Enquanto eu lutava para me recompor, eu felizmente ouviu a voz de Josh através do walkie.

“Ele tem algo, cara. É um grande saco. Ele simplesmente jogou-o no chão. E… oh Deus, o homem… o saco … Eu acho que acabou de se mudar.”

Eu estava paralisado. Eu queria correr para casa. Eu queria salvar Josh. Eu queria pedir ajuda. Eu queria tantas coisas, mas eu só estava lá, paralisado. Incapaz de mover os olhos voltados para o canto da casa que estava bem debaixo do meu quarto, eu mudei a minha lanterna. Minha respiração prendeu com o que vi. Animais. Dezenas deles. Todos eles mortos. Imóveis em pilhas em volta de todo o perímetro do forro. Poderia Boxes estar entre estes cadáveres? Era pra isso que a comida de gato servia?

Vendo isso, meu choque acabou e eu soube que eu tinha que sair de lá, então mexi a tábua. Eu a empurrei, mas ela não se mexia. Eu não conseguia movê-la porque ela estava presa lá dentro e eu não poderia colocar meus dedos em volta dela a não ser que as bordas estivessem do lado de fora. Eu estava preso. “Maldito seja, Josh!” Eu sussurrei para mim mesmo. Eu podia sentir os passos estrondosos acima de mim. A casa estava tremendo. Ouvi Josh gritar e foi acompanhado por um outro grito que não estava cheio de medo.

Enquanto eu continuei empurrando senti a placa se movimentar, mas eu sabia que não era eu que estava a movendo. Eu podia ouvir os passos acima de mim e na minha frente e gritando e gritando, preenchendo os breves silêncios entre os passos. Me movi para trás e segurei meu walkie pronto para tentar me defender. A placa foi jogada para o lado e um braço apareceu procurando por mim.

“Vamos cara, agora!”

Era Josh. Graças a Deus.

Subi para fora da abertura segurando a lanterna e o walkie. Quando chegamos à cerca nós dois pulamos, mas walkie de Josh caiu; ele estendeu a mão para pegá-lo e eu disse-lhe para esquecer. Tivemos que ir. Atrás de nós, eu podia ouvir gritos, embora eles não fossem palavras, só pareciam. E nós, talvez tolamente, corremos para os bosques a fim de voltar para a casa do Josh o mais rápido possível para tornar um pouco mais difícil de nos seguir. O caminho todo através dos bosques Josh ficava gritando:

“Minha foto! Ele pegou minha imagem!”

Mas eu sabia que o homem já tinha uma foto de Josh – de todos esses anos atrás, na vala. Eu acho que Josh ainda pensava que esses sons mecânicos eram de um robô.

Nós chegamos de volta para a casa de Josh e de volta para o seu quarto antes de seus pais acordarem. Perguntei-lhe sobre o grande saco e se ele realmente mudou e ele disse que não podia ter certeza. Ele continuou pedindo desculpas sobre deixar cair o walkie na casa, mas, obviamente, isso não era um grande negócio. Nós não fomos dormir e sentamos na janela esperando pelo sono. Fui para casa mais tarde naquele dia, pois já eram quase 3h da manhã.

Eu disse à minha mãe o resumo desta história há alguns dias atrás. Ela ficou furiosa sobre o perigo em que eu me coloquei. Eu perguntei por que ela falou todas essas coisas sobre incomodar os novos proprietários para me impedir de ir – por que ela achava que a casa era tão perigosa? Ela ficou irada e histérica, mas respondeu minha pergunta. Ela pegou minha mão e apertou-a mais forte do que eu pensei que ela fosse capaz de e olhou nos meus olhos, sussurrando, como se ela estivesse com medo de ser ouvida:

Porque eu nunca coloquei nenhuma merda de cobertores ou taças sob a casa para Boxes. Você não foi o único a encontrá-los…”

Senti-me tonto. Eu entendi tudo agora. Entendi porque ela parecia tão inquieta depois que ela trouxe Boxes de debaixo da casa no nosso último dia lá. Ela encontrou mais do que aranhas ou um ninho de ratos naquele dia. Eu entendi por que saímos quase duas semanas mais cedo. Eu entendi por que ela tentou me impedir de voltar.

Ela sabia. Ela sabia que ele fez sua casa sob a nossa e ela escondeu de mim. Saí sem dizer uma palavra e não terminei a história para ela, mas eu quero terminar isso aqui, para você.

Eu cheguei da casa do Josh e a partir daquele dia eu joguei minhas coisas no chão e espalhei-as por toda parte. Não me importei, só queria dormir. Acordei por volta 9h da noite ao som do miado do Boxes. Meu coração pulou. Ele havia finalmente voltado para casa. Eu estava um pouco doente sobre o fato de que se eu tivesse apenas esperado, os acontecimentos da noite anterior não teriam acontecido e eu teria Boxes de qualquer maneira, mas isso não importava. Ele estava de volta. Eu saí da minha cama e chamei por ele olhando em volta para pegar um brilho de luz de seus olhos. O choro continuou e eu o segui. Ele estava vindo de debaixo da cama. Eu ri um pouco pensando que eu tinha acabado de se arrastar em uma casa à procura dele e como isso era muito melhor. Seus miados estavam sendo abafados por uma camisa, então que joguei-a de lado e sorri, gritando “Bem-vindo de volta, Boxes!”

Seus miados vinham de meu walkie-talkie.

Boxes nunca voltou para casa.

Texto retirado do site Medo B.

GENTE! Eu fiquei alucinada depois de ler esta parte!!!! Tudo começa a fazer algum sentido, mas muita coisa ainda precisa ser esclarecida…

Estamos na metade da nossa Creepypasta!!! Não deixem de acompanhar os próximos episódios de Penpal aqui no blog!

Beijinhos! 😉

Anúncios

[Creepypasta] Penpal 02 – Baloons

Oi, gente!!!

 

Vamos continuar nossa Creepypasta? A história de hoje é Baloons.

(Se você ainda não sabe do que se trata a história, aproveite e clique aqui para se atualizar e ler a parte 01)

penpal

 

“Uns dias atrás, postei aqui uma história. Vocês fizeram algumas perguntas que me deixaram curioso com certos detalhes da minha infância, então fui falar com minha mãe. Incomodada com o que perguntei, ela disse:

-Por que não conta logo daqueles malditos balões, se eles estão mesmo tão interessados?

Assim que ela falou isso, lembrei de muitos detalhes da minha infância que havia esquecido. Essa história agora vai prover um contexto maior pra história de antes e eu acho que vocês deviam ler aquela primeiro. Apesar de não ser lá muito importante, ler aquela primeiro vai ajudar vocês a se pôr em meu lugar mais facilmente, já que lembrei daquilo antes. Se tiverem qualquer dúvida, sintam-se livres pra perguntar e eu tentarei responder a todos. Aliás, ambas as histórias são bem grandes, encarem. Tenho medo de esquecer detalhes que possam ser importantes.

Quando tinha cinco anos, fui para um jardim de infância que, me lembro, era bem cabeça dura quanto à importância de se aprender fazendo. Era um desses novos métodos de ensino pensados pra deixar as crianças aprenderam no próprio ritmo e pra isso a escola encorajava os professores a inventarem tarefas bem criativas. Cada professor tinha o espaço pra criar um tema que duraria até o fim de cada série e todas as tarefas de matemática, redação e afins, era pensadas dentro do tema escolhido. Esses temas eram chamados de “grupos”. Tinha o grupo do espaço, do oceano, da terra, e o meu, da comunidade.

No jardim de infância desse país, não dá pra aprender muito além de amarrar os sapatos e dividir suas coisas, a maioria não é muito memorável. Eu só me lembro de ser o melhor em escrever o meu nome corretamente, e do Projeto Balão – era a marca do grupo Comuninade por que era um jeito bem inteligente de mostrar como comunidades funcionavam em seu alicerce.

Provavelmente todo mundo ouviu falar dessa tarefa. Numa sexta feira no início do ano (eu lembro de ser sexta por que estava feliz com o projeto e com o fato de ser quase fim de semana) , caminhávamos pra dentro da sala de aula de manhã e víamos que lá havia uns balões, amarrados com fitas a cada uma das cadeiras. E, em cada mesa, havia uma caneta, canetinha, um pedaço de papel e um envelope. A tarefa era escrever um bilhete, pôr no envelope e grudar no balão, onde também podíamos desenhar se quiséssemos. A maioria das crianças estava brigando pelos balões, por que queriam cores diferentes, mas eu comecei a escrever meu bilhete porquê tinha pensado muito nele.

Todos os bilhetes tinham que seguir um padrão, mas a gente podia inventar um pouco dentro dele. Minha carta era mais ou menos assim:

“Oi!

Você achou meu balão! Meu nome é […] e eu estudo no Jardim de Infância […]. Pode ficar com o balão, mas espero que me escreva de volta. Eu gosto de Max Steel, explorar, construir fortes, nadar e de amigos. Do que você gosta?

Me escreve de volta logo. Aqui tem um dólar pro correio!”

No dólar, escrevi “PARA SELOS” bem na frente. Minha mãe achou que era desnecessário, mas eu achei bem inteligente, então fiz.

A professora tirou uma foto Polaroid de cada um de nós com nossos balões e nos fez pôr cada uma no envelope, junto com cada bilhete. Também incluíram outra carta que, acho, explicava a natureza da tarefa e agradecimentos sinceros pela participação de volta, ao escrever e mandar fotos de sua cidade ou vizinhança. Essa era a ideia – construir um senso de união sem ter que sair da escola e manter um contato seguro com outras pessoas; parecia uma ideia tão divertida.

Em duas semanas as cartas começaram a vir. A maioria tinha fotos de paisagens diferentes, e, a cada vez que as fotos chegavam, a professora pendurava-as num grande mapa que fizemos, mostrando de onde a carta veio e o quão longe o balão viajara. Era uma ideia bem inteligente, porque realmente gostávamos de ir pra escola pra ver se tínhamos recebido nossa cartinha. Pelo resto do ano, tínhamos um dia na semana em que podíamos escrever de volta para nosso penpal* ou para o penpal de outro aluno, caso o nosso não tivesse escrito de volta. O meu era um dos últimos a chegar. Um dia, entrei na sala e vi que não havia nada pra mim na mesa, mas, assim que sentei, a professora se aproximou e me deu um envelope. Eu fiquei muito feliz, mas assim que comecei a abri-lo, ela pôs a mão em cima da minha e disse:

-Por favor, não fica chateado

Não entendi o que ela quis dizer – por que eu ficaria chateado se minha carta chegou?

Inicialmente, fiquei besta de saber que ela tinha olhado o que havia dentro do envelope, mas agora sei que as professores checavam o conteúdo de cada carta pra ver se não tinha nada obsceno, mas mesmo assim, como eu poderia ficar chateado? Quando abri o envelope, entendi.

Não havia nenhuma carta.

A única coisa lá dentro era uma foto Polaroid que eu realmente não consegui descobrir o que mostrava. Parecia um pedaço de deserto, muito desfocado pra ser decifrado; parecia que a câmera se mexera na hora de tirar a foto. Não tinha endereço de destinatário, então nem escrever de volta eu podia. Fiquei arrasado.

O ano letivo continuou e as cartas pararam de vir pra quase todos os alunos. Ora, só dá pra trocar correspondência com um aluno do jardim de infância por pouco tempo. Todo mundo, eu incluso, tinha perdido interesse nas cartas quase que completamente. Até que recebi outro envelope.

Meu ânimo ficou renovado e me concentrei no fato de que eu ainda recebia cartinhas quando a maioria dos penpals tinha deixado elas de lado. Mas fazia sentido que eu tivesse recebido outra, pois não havia nada além de uma foto mal tirada na primeira. Essa devia ser pra compensar. Mas, de novo, não havia nenhuma carta… só outra foto.

Essa agora estava melhor, mas ainda assim não entendi. A câmera estava fora de ângulo, pegando o pedaço de um prédio, e o resto da foto estava estragado pelo brilho do sol.

Por os balões não irem muito longe e por terem sidos todos soltos no mesmo dia, o mapa ficou atulhado. Aí, os alunos que ainda trocavam correspondência podiam levar suas fotos para casa. Meu melhor amigo Josh trouxera pra casa o segundo maior número de fotos no fim do ano – seu penpal era bem prestativo e mandara fotos de toda a cidade vizinha; Josh levou pra casa, no máximo, quatro fotos.

Eu levei quase cinquenta.

Todos os envelopes eram abertos pela professora, mas, depois de um tempo, parei até de olhar para as fotos. No entanto, guardei-as numa gaveta, ao lado da minha coleção de pedras, figurinhas de basebol e de super-heróis (Marvel Metal Cards, pra aqueles que lembram) e mini-capacetes de basebol que eu consegui numa máquina no Winn-Dixie depois de alguns jogos. Com o fim do ano letivo, minha atenção estava voltada pra outras coisas.

Minha mãe me dera uma máquina de raspadinha de natal naquele ano. Josh realmente invejava ela – tanto que seus pais compraram uma um pouco melhor que a minha pra ele de aniversário, no fim do ano. Naquele verão, planejamos uma banquinha pra ganhar dinheiro; achávamos que íamos fazer uma fortuna vendendo raspadinhas a um dólar. Josh vivia em outra bairro, mas decidimos vender no meu porque lá muita gente cuidava de cortar a grama; os jardins eram maiores e mais bonitos. Durou cinco finais de semanas até que minha mãe nos mandou parar e, só muito tempo depois, entendi o porquê.

No quinto final de semana, Josh e estávamos contando dinheiro. Por nós dois termos uma maquininha própria, cada um tinha sua pilha de dinheiro que juntávamos em uma só e dividíamos ao meio. Tínhamos um total de dezesseis dólares aquele dia, e, enquanto Josh me dava meu quinto dólar, fui pego de surpresa.

Aquele dólar tinha escrito “PARA SELOS”.

Josh percebeu meu choque e perguntou se tinha contado errado. Falei do dólar e ele disse que aquilo era muito legal. Ponderei sobre e concordei. A ideia do dólar ter voltado pra mim depois de ter andado por tantas mãos me deixou extasiado.

Corri pra dentro pra contar pra minha mãe, mas minha alegria morreu por que ela estava distraída ao telefone. Esse fato fez minha história parecer incompreensível pra ela, que respondeu apenas que era muito maneiro.

Frustrado, corri de volta pra fora e disse ao Josh que queria mostrar algo pra ele. No meu quarto, abri a gaveta e tirei as fotos de lá. Comecei com a primeira que havia recebido, mas lá pela décima Josh perdera o interesse. Perguntou se podíamos brincar na trincheira (uma trincheira no fim da rua) antes que a mãe chegasse para buscá-lo, e foi o que fizemos.

Fizemos uma guerra de lama por um tempo, que era interrompida a toda hora por barulhos estranhos no matagal que ficava perto. Havia guaxinins e gatos de rua lá,mas isso agora fazia muito barulho e tentamos adivinhar o que era, tentando assustar um ao outro. Meu último palpite era uma múmia, mas Josh insistia que era um robô por causa do barulho. Antes de ir, ele virou, sério, e me disse:

-Você ouviu, não ouviu? Parecia um robô. Você também ouviu, né?

Eu tinha ouvido sim. Como parecia “mecânico”, concordei que podia ser um robô. Só agora entendo o que era.

Quando voltamos, a mãe do Josh esperava por ele na mesa da cozinha, junto da minha. Josh falou do robô, nossas mães riram e eles foram pra casa. Eu e minha mãe jantamos, e eu fui dormir.

Não fiquei muito tempo na cama antes de levantar e decidir que, por causa do que acontecera à tarde, eu ia rever os envelopes, que pareciam muito mais interessantes naquele momento. Peguei o primeiro e pus no chão, a foto desfocada do deserto por cima. Fiz o mesmo com o segundo e a foto do prédio e segui com cada foto, até que formasse uma imagem de mais ou menos quinze por trinta centímetro; me ensinaram a ser cuidadoso com minhas coisas, mesmo que não tivessem muito valor.

As fotos gradualmente faziam mais sentido. Uma árvore com um pássaro, uma placa de trânsito, fios de energia, pessoas entrando num prédio. Até que vi algo que me acertou tão profundamente que consigo, enquanto escrevo, sentir a mesma vertigem, concentrado num único pensamento:

-Por que estou nessa foto?

Nessa foto de pessoas num prédio, vi eu e mamãe, mãos dadas, bem no início da multidão. Estávamos na beiradinha da foto, mas com certeza era a gente. Meus olhos corriam aquelas fotos e eu ficava cada vez mais nervoso. Era um sentimento muito estranho – não de medo. É aquela sensação de ter entrado numa fria. Não sei porquê, mas achei que tinha feito algo de errado. A sensação piorou depois de analisar com calma cada foto e cada imagem me acertou mais em cheio.

Eu estava em todas elas.

Nenhuma de perto. Nenhuma só minha. Mas eu estava em cada uma delas – no lado, na borda, na parte de trás .Algumas traziam só um pedacinho do meu rosto bem no canto, mas sem exceção, eu sempre aparecia.

Não soube o que fazer. A mente funciona de maneiras engraçadas quando se é criança, mas havia uma grande parte de mim com medo de levar bronca só pelo fato de ainda estar acordado. Por já estar sentindo que tinha feito muita coisa coisa de errado, decidi esperar até a manhã seguinte

O dia seguinte era folga da minha mãe e ela passou a maior parte da manhã limpando a casa. Vi televisão, acho, e esperei até o que achei uma boa hora pra mostrar as fotos. Quando ela saiu pra buscar cartas na caixa postal, peguei as fotos e distribuí-as pela mesa, esperando por ela. Quando voltou, já estava abrindo correspondência e jogando alguns anúncios na lata de lixo.

-Mãe, olha isso aqui rapidinho? Essas fotos-

-Só um minuto, amor. Preciso marcar esses dias no calendário.

Depois de um tempinho, ela voltou e parou atrás de mim, perguntando o que eu queria. Podia ouvi-la mexendo em cartas. Eu só conseguia olhar para as fotos de Polaroids e falar sobre elas. Quanto mais eu explicava, e apontava, os sons de “aham”, “ok”, ficavam mais raros, até ela estar completamente atônita. O próximo som que ouvi dela fez parecer que tentava respirar numa sala onde nenhuma molécula de ar restava. Por fim, seus os sons de engasgue foram cortados pelo barulho de correspondência sendo jogado na mesa. Ela correu pro telefone.

-Mãe, desculpa! Não tinha reparado! Não fica brava comigo!

Com o ouvido grudado ao telefone, ela andava e corria de um lado pro outro, gritando através da linha. Eu mexia, nervoso, no envelope atirado à mesa, ao lado das minhas fotos de Polaroid. Tinha alguma coisa saindo pra fora do envelope. Ansioso e cheio de dedos, puxei aquilo pra fora.

Era outra foto.

Pensei de início que uma das minhas fotos tinha acabado dentro daquele envelope no meio da confusão, mas reparei que nunca tinha visto aquela. Pra minha surpresa, era um close meu. Estava no meio de árvores e rindo. Mas não estava sozinho. Josh também estava lá. Aquilo era a gente, no dia anterior.

Comecei a gritar pela minha mãe, mas ela estava distraída no telefone.

-Tô falando com a polícia, amor.

-Por que?! Me desculpa, eu não quis…

Ela me respondeu de um jeito que nunca havia entendido até lembrar agora desses acontecimentos. Pegou o envelope e a foto com o Josh caiu perto das outras. Ela segurou o envelope bem na minha frente, mas eu só podia encará-la, sem entender nada. A cor fugia de seu rosto. Com lágrimas nos olhos, ela disse que teria de chamar a polícia, por que não havia endereço no envelope.”

*penpal: amigo por correspondência

Texto retirado do site Medo B.

 

Gente, confesso que fiquei meio paranoica depois de ler essa parte kkkkk Já sou meio desconfiada, mas fiquei super na neura quando saía de casa… Cada uma, viu?

Aguardem o próximo capítulo!

 

Beijinhos! 😉

[Creepypasta] Você já ouviu falar? + Penpal 01 – Footsteps

Oi, amores!!!

 

Você já ouviu falar em lendas urbanas? Sabe, aquela conversa pra assustar a gente quando criança tipo O Homem do Saco? (gente! eu morria de medo dele kkkkk) Pois é! Hoje em dia, com toda essa tecnologia espalhada por aí, as lendas urbanas são mais facilmente disseminadas e, quando elas são transmitidas pela internet, ganham um novo nome: Creepypastas.

Já li cada creepypasta por aí… Umas que não tem o menor sentido, mas tem aquelas que prendem a nossa atenção por serem tão ricas em detalhes. Dá até pra pensar que aquilo realmente aconteceu! Nunca saberemos se sim ou se não, mas acabei adorando esse mundo maluco de histórias da internet.

Resolvi trazer para vocês a melhor creepypasta que já li até hoje: Penpal (amigo por correspondência, em inglês)

Penpal é contada através de uma série de recordações de um narrador anônimo, o qual tenta dar sentido a acontecimentos de sua infância. Quando jovem, sua professora cria um programa de amigo por correspondência, onde as crianças tentam encontrar penpals atando uma carta a um balão que libertam na esperança de chegar a alguém e esse alguém escreva de volta. Apenas as outras crianças recebem respostas e o narrador não, então é assumido que seu balão não chegou a ninguém. Porém, quando finalmente recebe uma resposta, esta é apenas uma foto borrada e sem sentido, mas que, com o passar do tempo, as lembranças mostram que alguém o persegue e que esta pessoa não é sã.

A linha do tempo de Penpal é baseada numa série de histórias que Auerbach colocou no Reddit com o nome “No Sleep” sob o nickname de 1000Vultures . Auerbach colocou a sua primeira história, “Footsteps“, em março de 2010, a qual recebeu uma grande resposta positiva. Ele tinha intenção que inicialmente a história de “Footsteps” fosse uma história isolada, mas Auerbach escolheu continuar a escrever seguindo o mesmo protagonista a pedido dos leitores. Cada história era narrada pelo mesmo protagonista e cada uma delas abria no mesmo formato, onde o protagonista respondia a uma questão postada por um dos leitores. Durante este tempo Auerbach também respondeu a posts de leitores no lugar do protagonista.

A história está dividida em seis partes. Hoje, vou colocar a parte 01, chamada Footsteps.

penpal

 

“Esse relato é tão longo, peço desculpas por isso. Nunca tive de contar essa história tão detalhadamente a ponto de conseguir explicá-la por completo, mas asseguro que é verdadeira e aconteceu quando eu tinha uns seis anos de idade.

Num quarto silencioso, se você deita seu ouvido contra o travesseiro, dá pra ouvir a batida de seu coração. Quando criança, essa batida e esse ritmo soavam como passos num carpete. Acordei muitas noites assustado por que, durante aquele período de vigília antes do sono chegar, escutava esses passos e era tragado de volta à consciência, repentinamente.

Durante toda minha infância, vivi com minha mãe numa vizinhança boa que começava a ser desvalorizada. Gradualmente, gente de menor poder aquisitivo começara a se mudar pra lá, incluindo eu e mamãe.
Nossas coisas couberam num único caminhão e a casa, se bobear, era tão pequena que podia ter sido dobrada e transportada junto. Mas mamãe era muito caprichosa e cuidava bem do lugar.

Havia bastante mato ao redor do bairro, e eu desbravava e explorava um pedacinho novo todo dia. Mas, à noite, as coisas lá ficavam um pouco mais sinistras, assustadoras. Isso, aliado ao fato de haver um espaço enorme e inabitado debaixo de nossa casa, fazia minha imaginação infantil viver povoada de monstros e cenas apavorantes, que enchiam minha mente toda vez que ouvia os passos.

Contei a minha mãe sobre os passos e ela disse que eu estava imaginando coisas. Insisti o suficiente até que ela, usando um conta-gotas, pingasse água em meus ouvidos pra tentar aplacar meus nervos. Eu achava que, mantendo os ouvidos abafados, resolveria o problema. Claro que não adiantou. A despeito de tanto medo e desconforto, a única coisa estranha de verdade que já acontecera, era que, às vezes, eu acordava na cama de baixo do beliche, apesar de ter deitado inicialmente na de cima. Só que isso não era assim tão estranho, já que me lembrava, uma vez ou outra, ter acordado no meio da noite pra fazer xixi, ou pegar água, e acabar deitando na cama de baixo por preguiça – sou filho único, então não importava muito onde me deitava. Acontecia uma ou duas vezes por semana. Só que acordar na cama debaixo nem era tão assustador. Até a noite em que eu não acordei na cama debaixo.

Escutei os passos, mas estava cansado demais pra me deixar acordar. Quando enfim acordei, não foi por causa de medo, mas por sentir frio. Muito frio. Quando abri os olhos, vi estrelas. Estava no meio do mato. Sentei na hora e tentei descobrir o que estava acontecendo. Pensei que estava sonhando, mas tudo parecia estranho, principalmente por estar sentado no meio da grama. Vi uma boia de piscina bem em frente de mim – uma em forma de tubarão, o que só contribuiu pra sensação de estar dormindo e sonhando. No entanto, após um tempo, parecia que eu não iria mesmo acordar, por que não estava dormindo. Levantei pra tentar me localizar, só que não reconheci onde estava. Eu brincava perto de casa, nas árvores, o tempo todo e conhecia bem o terreno. Mas essas não eram as mesmas árvores, então como eu poderia sair? Dei um passo a frente e senti uma dor aguda no pé que me derrubou de volta ao chão Pisei num espinho. À luz da lua, pude ver que havia espinhos em todo lugar.

Olhei a sola do pé, que não estava machucada. Aliás, eu não estava pouco machucado. Não havia um arranhão. Nem tanta sujeira em minhas roupas.

Chorei um pouco e me levantei de novo.

Não sabia pra onde ir, então escolhi uma direção aleatória. Resisti ao impulso de gritar por que não estava seguro de que queria ser encontrado por quem quer que estivesse escondido entre as árvores.

Caminhei pelo o que pareceram horas.

Tentei seguir uma linha reta sem me perder, mas era só uma criança com medo. Não escutava uivos ou gritos, mas uma vez escutei um som que me assustou. Parecia um bebê chorando. Penso agora que talvez fosse apenas um gato, mas, na hora, entrei em pânico. Segui por outras direções pra evitar arbustos e árvores caídas. Também prestava bastante atenção por onde pisava – e não por onde ir – pois meus pés já estavam destruídos. Pouco tempo depois de ouvir o choro, vi algo que me encheu de um desespero surdo que nunca senti antes. Era a boia.

Eu estava a poucos metros de onde havia acordado.

Não era mágica, muito menos uma dobra no espaço-tempo. Eu me perdi. Até aquele momento, pensei mais sobre como sair de dentro do mato do que sobre como eu havia chegado lá em primeiro lugar. Mas estar de volta ao ponto de partida virou minha mente de cabeça pra baixo. Será que corri em círculos ao redor daquele lugar, ou, em algum ponto do percurso, dei meia-volta sem perceber? Como poderia sair? Achava que a estrela do norte era a mais brilhante, então procurei por ela. Segui seu brilho.

Uma hora as coisas começaram a parecer familiares e, quando vi a “trincheira” – um buraco na terra onde meus amigos e eu brincávamos de guerra de lama – soube que tinha conseguido sair. Estivera caminhando devagar por que meus pés doíam, mas fiquei tão feliz de estar perto de casa que comecei a correr.

Quando finalmente vi o telhado de casa acima de uma casa vizinha um pouco mais baixa, deixei escapulir algumas lágrimas e corri mais rápido. Só queria chegar em casa. Decidira não dizer nada por que simplesmente não sabia o que dizer. De algum jeito, ia entrar de novo, me lavar e voltar pra cama. Meu coração saltitou quando virei a esquina e vi minha casa por inteiro.

Todas as luzes estavam ligadas.

Sabia que mamãe estava acordada, e sabia que teria que me explicar bastante (ao menos tentar) e não fazia nem ideia de como começar. Diminuí o passo, e até ver sua silhueta por trás das cortinas estava preocupado com o que dizer a ela. Subi os degraus até a entrada e pus as mãos na maçaneta. Antes mesmo de conseguir abrir a porta, braços me agarraram por trás. Gritei tão alto quanto pude.

-Mãe! ME AJUDA, POR FAVOR!

A sensação de ser fisicamente arrancado de um momento de alívio gerou torrentes de pavor pelo meu corpo que ainda hoje, após tantos anos, são indescritíveis.

A porta de onde me arrancaram foi aberta, e uma ponta de esperança surgiu no meu peito. Mas quem abriu não era minha mãe.

Era um homem enorme. Esperneei e chutei os pontos fracos de quem me segurava enquanto tentava também fugir da figura que se aproximava. Estava com medo, sim, mas também furioso.

-ME DEIXA! CADÊ MINHA MÃE? QUE QUE VOCÊS FIZERAM COM ELA?

Minha garganta doía de tanto gritar. Tentei recuperar o fôlego. Percebi uma voz que não tinha ouvido antes.

-Amor, por favor, se acalma. Sou eu.

Era a voz da minha mãe. O aperto ao meu redor afrouxou e pude ver as roupas dos homens. Eram policiais. Me virei pra encarar o sujeito atrás de mim e vi que quem me agarrara havia sido minha mãe.

Tudo estava bem. Comecei a chorar, e nós três finalmente entramos.

-Estou tão feliz de ver você em casa, amor. Fiquei preocupada de nunca mais te ver – Agora, ela também chorava.

-Me perdoa, eu não sei o que aconteceu. Só queria vir pra casa de novo…

-Tudo bem, só não faça isso de novo. Nunca mais. Não sei aguentaria outros chutes seus…

Uma risada atravessou meu choro, e consegui sorrir.

-Me desculpa por ter chutar, mas por que você me assustou desse jeito?

-Fiquei com medo de você correr de novo.

-Como assim?

-Achamos seu bilhete no travesseiro. – Ela disse, apontando um pedacinho de papel que um dos policiais acabara de me entregar.

Peguei o bilhete e li. Era um bilhete de adeus. Dizia que eu estava infeliz e que nunca mais queria ver ela ou meus amigos e novo. Os policiais trocaram algumas palavras com a minha mãe na varanda, enquanto eu encarava o papel. Não lembrava de ter escrito nada. Não lembrava de nada que havia acontecido. Mas mesmo que eu não lembrasse de me levantar pra ir ao banheiro às vezes, ou de ter ido sozinho pro meio do mato, mesmo que nada disso tenha sido verdade, tudo que sabia era:

-Não é assim que se escreve meu nome…. Eu não escrevi essa carta…”

Texto retirado do site Medo B.

O que vocês acharam? Garanto que a história tende a ficar mais e mais assustadora!

Aguardem os próximos episódios de Penpal.

Beijinhos! 😉